DT 68.pdf


Preview of PDF document dt-68.pdf

Page 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Text preview


6

FUTEBOL

DESPORTIVO Transmontano
Terça-feira, 9 de Outubro de 2012

FUTEBOL  Divisão de Honra AFVR

E tudo Marante levou…
AFVR: Divisão de Honra (Jorn. 4)

Fontelas 2

Mesão Frio 2
Recinto: Campo Dr. Rui Machado, Fontelas
Árbitro: Hugo Araújo, Régua
Auxiliares: António Mesquita e Fernando Carvalho
Hélder

Marco

Hugo Ermida ©

Tévez

David Micael

César © (Roger, 46’)

Tiago

Canetas (Albino,75’)

Yuri

Nuno

Flávio

Flávio

Vasco Nuno

Tiago (Ricardinho, 46’)

Yannick (J. Borges, 73’)

Pedro

Pedro (Alexandre, 66’)

Marante

Toni (D. Mesquita, 66’)

Kuxixo

Nuno Gillettes

Leonardo

T: Prof. Zé Carlos
Coelho

T: Luís Miguel Botelheiro

Golos: 1-0, Toni (16’); 1-1, Marante (48’); 2-1,
Vasco Nuno (63’); 2-2, Marante (83’)
Amarelos: David Micael (24’), Tiago (35’),
Hugo Ermida (42’), Toni (45’), Nuno Gillettes
(76’), Alexandre (82’), Vasco Nuno (83’), Flávio (85’), Roger (88’) e João Borges (90+2’)

Nuno Correia

Fontelenses queriam demonstrar não serem o “elo mais
fraco” do campeonato e aplicaram-se para procurarem os
primeiros pontos mas uma portentosa exibição de Marante
garantiu pontos aos visitantes.
Jogo entre vizinhos, e conhecidos, de tal forma que havia quem dissesse que o Mesão
Frio fazia o 3º jogo em casa
visto ter usufruído do Campo
Dr. Rui Machado em jornadas
anteriores para as suas receções caseiras. O jogo prometia
um bom espetáculo, pleno de
emotividade, e assim seria. Os
donos da casa tinham como
objetivo reverterem as suas
tendências pontuais e a forma
como entraram demonstrou
isso mesmo. Concentrados e
sem pressões, o jogo começou
a correr-lhes de feição, com
uma defesa a funcionar como
um bloco, uma intermediária
segura e tranquila, cabia aos
atacantes a responsabilidade
de converterem em golos a solidez coletiva com que a equipa
entrou em campo.
Demoraram apenas 16 minutos a conseguir, numa iniciativa de Yannick, jovem cabo-verdiano em estreia absoluta
nos donos da casa, partindo do
seu meio-campo, ultrapassou
vários adversários oferecendo
em bandeja de ouro o golo a

Toni que não desaproveitou.
Em vantagem, os fontelenses percebiam que estavam no
bom caminho e geriam o jogo
como queriam. Os visitantes
viam-se em claras dificuldades
para conseguirem superar os
seus adversários nos duelos
individuais e o melhor que haveriam de conseguir foi obtido
num lançamento da linha lateral com Flávio a antecipar-se
aos contrários, cabeceando ao
poste.
Ao nível de ocasiões de
golo para os homens do Mesão
Frio estamos conversados nos
primeiros 45 minutos. As restantes pertenceram aos donos
da casa onde Marco brilhou
numa grande intervenção, após
desvio defensivo. Já em cima
do intervalo, Yuri brilhou num
remate cruzado colocadíssimo,
pleno de convicção, ao poste.
Em tempo de intervalo, foram feitas mudanças na equipa visitante, demonstrando a,
clara, insatisfação pela exibição
produzida ao longo dos primeiros 45 minutos. A principal modificação foi o recuo de Marante, procurando “pegar” no jogo
mais na intermediária, assumindo o papel de máximo dinamizador ofensivo da equipa.
E precisou de pouco tempo
para o conseguir já que, logo
aos 48 minutos, conquistou
bola descaído pela esquerda,

progrediu, entrou na área, trabalhou a bola e sem que lhe
fosse colocada grande oposição, optou por rematar cruzado, com Hélder a procurar
evitar o pior, mas sem que o
conseguisse.
A igualdade obrigava os donos da casa a terem que correr
atrás do resultado, havendo
que assumir a objetividade de
jogo dos primeiros 45 minutos.
À passagem do quarto-de-hora, nova iniciativa de Marante,
levou a bola pela esquerda,
com Hugo Ermida em tentativa
de domínio de bola, com esta a
fugir-lhe para o braço. Grande
penalidade assinalada de imediato com Marante a permitir
que Hélder brilhasse a grande
altura, impedindo que os homens que viajaram de Mesão
Frio confirmassem a reviravolta
no placar.
Só que os fontelenses acordaram com a penalidade assinalada e galvanizaram-se pela
defesa e partiram para o ataque
com o pensamento de que, em
nada, seriam inferiores ao seu
adversário. Hugo Ermida, ainda com a penalidade cometida
no pensamento, trabalhou bem
na direita do ataque cruzando
para a marca de penalti, aparecendo Vasco Nuno a rematar
firme para novo golo.
Em vantagem, os fontelenses pareciam ter antidoto para

o jogo contrário e começou
a pensar-se que seriam esta a
primeira vitória dos fontelenses, apesar da enorme pressão
ofensiva dos mesãofrienses,
com uma enormidade de lances de bola parada, cantos essencialmente.
O tempo foi passando mas
Marante haveria de tirar novo
“coelho da cartola”, aproveitando cruzamento perfeito de
Albino, cabeceamento perfeito
para nova igualdade no resultado e que seria final.
Primeiros pontos para os
donos da casa com um sabor
a pouco pela boa exibição produzida. Já os visitantes, mostraram ser muito dependentes das
iniciativas de Marante, e o seu
rendimento influi muito com os
resultados. Hoje foram 2 golos
e muitas iniciativas…
A arbitragem demonstrou o
pior que se pode ter ao longo
de um jogo: falta de personalidade. Esconder uma fraca exibição atrás da amostragem de
cartões é demasiado limitado
para se pensar numa nota positiva nesta partida. Foram 9
amarelos mostrados aos donos
da casa sem que se houvesse
visto faltas suficientes para esse
numero de admoestações, deixando em claro alguns lances
mais duros produzidos pelos
adversários… Arbitragem fraca
e muito estranha.