PDF Archive

Easily share your PDF documents with your contacts, on the Web and Social Networks.

Share a file Manage my documents Convert Recover PDF Search Help Contact



Capitulo 1 .pdf



Original filename: Capitulo 1.pdf
Title: Capitulo 1
Author: Gabriel Natal

This PDF 1.3 document has been generated by Microsoft Word / Mac OS X 10.6.8 Quartz PDFContext, and has been sent on pdf-archive.com on 19/02/2013 at 23:35, from IP address 177.32.x.x. The current document download page has been viewed 1198 times.
File size: 11 MB (15 pages).
Privacy: public file




Download original PDF file









Document preview


Reis,  Cidadãos  e  Revoluções  

A  história  do  Egito  e  minha  viagem  ao  país  dos  Faraós  
 

 
Gabriel  Natal  

 

 1:  Quem,  Como  e  Porquê  
 
 
     Escrevo  este  relato  pois  quero  que  mais  pessoas  saibam  a  história  
da  minha  viagem  e  o  que  me  levou  a  fazê-­‐la.  Para  tentar  compartilhar  a  
minha  visão  deste  país  tão  exótico,  antigo  e  intrigante  que  é  a  terra  do  
Egito.  Meu  nome  é  Gabriel  Natal,  atualmente  com  18  anos.    
         Quando   eu   tinha   16,   em   2011,   deixei   minha   cidade,   minha  
família,   meus   amigos   e   todo   o   meu   pequeno   mundo   para   mudar   de  
continente,   de   país,   de   família   e   ir   morar   numa   cidade   infinitamente  
diferente,   numa   cultura   mais   diferente   ainda.   Sozinho,   sem   conhecer  
absolutamente   ninguém,   nem   entender   o   que   as   pessoas   falavam.   No  
ano   da   revolução   que   mudou   o   país   e   o   começo   de   todos   os   conflitos  
que  a  sucederam.  África.  Egito.  Cairo.    
Parece   um   pouco   assustador,   mas   era   tudo   o   que   eu   esperava  
desde  criança.  Eu  lembro  de  quando  eu  era  pequeno,  naquela  época  em  
que  as  crianças  estão  aprendendo  a  escrever,  um  dia  em  que  eu  fiquei  
tentando   escrever   a   palavra   ‘Egito’   durante   muito   tempo.   Eu  
colecionava   revistas,   estátuas,   brinquedos,   livros,   tudo   relacionado  
àquela   terra.   Mas   porque   eu   desenvolvi   essa   característica   peculiar?  
Bem,  minha  avó  paterna  é  egípcia,  e  meu  avô  é  fascinado  pela  história  

do   país.   Os   faraós   e   os   deuses   sempre   foram   interessantíssimos   para  
mim,  eu  cresci  ouvindo  as  histórias  que  os  dois  contavam.  Mas  segundo  
minha  avó  eu  sou  a  reencarnação  de  um  faraó,  porque  ela  nunca  havia  
dito  que  eu  deveria  gostar  do  país  dela.    
   Rina,   minha   avó,   tem   a   história   de   vida   mais   fascinante   que   eu  
conheço.   Nasceu   no   Cairo,   em   1937,   em   uma   família   ligada   à   Itália   e   a  
Grécia,   quando   havia   uma   forte   presença   de   pessoas   oriundas   desses  
países   no   Egito,   assim   como   de   seus   descendentes,   que   viviam   em  
harmonia  com  a  população  local  e  haviam  se  misturado  com  os  nativos  
através   dos   séculos.   Essa   influência   greco-­‐italiana   deixou   fortes   marcas  
na   cultura   egípcia   moderna,   inclusive   no   dialeto   árabe   falado   hoje   no  
Egito.  Naquela  época  o  Egito  era  um  reino,  governado  pelo  rei  Faruk,  o  
monarca-­‐fantoche   do   domínio   britânico   no   país.   Faruk   foi   o   último  
monarca   da   dinastia   de   Mohammed   Ali,   o   poderoso   governador  
otomano  do  início  do  século  XIX  que  é  considerado  o  fundador  do  Egito  
moderno.  No  final  do  século  XIX,  entretanto,  o  poder  otomano  diminui  
com   o   crescimento   da   influência   europeia   no   país,   especialmente   dos  
britânicos.  Com  a  eclosão  da  Primeira  Guerra  Mundial  a  Inglaterra  fez  do  
Egito  um  protetorado  britânico,  consolidando  sua  influência  no  país.  No  
final   da   guerra   o   Egito   declarou   sua   independência,   mas   apenas  
nominalmente.  A  Inglaterra  ainda  controlava  a  política  egípcia.    

Por  mais  que  a  cena  política  fosse  confusa,  o  Egito  ainda  era  mais  
seguro  do  que  a  Europa  devastada  por  conflitos  bélicos.  A  comunidade  
greco-­‐italiana  prosperava,  incluindo  a  família  de  minha  avó.    
Tudo   isso   veio   a   mudar   com   a   Segunda   Guerra.   A   Itália   fascista  
pretendia   invadir   o   Egito,   e   diversas   batalhas   se   desenrolaram   entre  
egípcios,   ingleses   e   os   invasores   italianos.   O   governo   egípcio,   controlado  
pelos  britânicos,  enviou  mais  de  8000  ítalo-­‐egípcios  para  os  campos  de  
concentração   no   deserto,   sob   a   suspeita   de   serem   espiões   italianos.  
Entre  eles  estavam  meu  bisavô,  Umberto,  e  minha  tia  avó,  Maria.    
 

Naquela   mesma   época   minha   avó   perdera   a   mãe,   e   quando   meu  
bisavô   pode   retornar   ao   Cairo   decidiu   que   iria   deixar   o   Egito.   As   duas  
irmãs   de   minha   avó   já   eram   casadas,   mas   ela   ainda   era   uma   criança.  
Assim,   foi   a   única   que   deixou   o   Egito   com   o   pai,   e   se   passariam   anos   até  
que  ela  encontrasse  as  irmãs  novamente.  Acho  que  a  história  de  minha  
avó   foi   o   que   mais   me   influenciou   a   gostar   tanto   desse   país,   mesmo  
antes   de   vislumbrá-­‐lo.   Foi   o   que   me   fez   decidir   a   sair   do   Brasil   e   me  
mudar  para  o  Cairo.  Depois  de  mais  de  sessenta  e  cinco  anos  da  partida  
da  avó,  o  neto  estava  de  volta.  
 
Por   mais   que   eu   sempre   tenha   tido   essa   conexão   com   o   Egito,   eu  
nunca  tinha  imaginado  que  eu  iria  morar  lá  antes  de  da  oportunidade  do  
intercâmbio.   Talvez   eu   era   pequeno   demais   para   pensar   nessas   coisas.  
Na   minha   infância   eu   brincava   com   as   minhas   estatuetas   de  
personagens  faraônicos  e  de  antigos  deuses  egípcios  com  meus  amigos  
no  colégio.  Meus  desenhos  de  criança  também  representavam  faraós  e  
divindades.    
Eu  lembro  que  minha  avó  materna  comprava  para  mim  uma  revista  
sobre   o   Egito   antigo,   que   vinha   acompanhada   de   um   fascículo.   Eu   ficava  
horas   observando   as   imagens   daquele   lugar   que   ainda   era   tão  
misterioso  para  mim.    
 

 
Eu   ingenuamente   procurava   pacotes   turísticos   e   mandava   e-­‐mails  
perguntando   se   eles   levariam   uma   criança   desacompanhada   para   um  
cruzeiro   pelo   Nilo,   e   até   meu   pequeno   hamster   marrom   se   chamava  
Tutancâmon.   Nessa   época   eu   me   interessava   apenas   pelos   faraós,  
múmias,  pirâmides  e  demais  antiguidades;  o  Egito  moderno  não  era  tão  
divertido  para  uma  criança.    
Em   algum   momento   eu   descobri   que   a   arqueologia   existia,   assim  
como   a   Egiptologia   e   os   egiptólogos,   profissionais   que   lidam   com   a  
herança  material  e  cultural  do  passado  egípcio.  Eu  já  tinha  várias  ideias  

do  que  eu  “gostaria  de  ser  quando  crescesse”  mas  agora  que  eu  sabia  da  
existência  da  ciência  da  Egiptologia,  não  havia  mais  dúvidas.    
Durante   muito   tempo   não   passou   disso.   Um   desejo,   um   plano   para  
um  futuro  distante.  
 
 
Até   que   uma   oportunidade   de   ir   ao   Egito   surgiu.   Foi   na   mais  
inesperada  das  situações.  Em  um  dia  qualquer,  em  2010,  um  colega  de  
trabalho   do   meu   pai,   veio   almoçar   em   casa   com   a   sua   namorada.  
Conversando,   descobri   que   ela   era   alemã,   e   ela   me   contou   que   havia  
feito   um   Intercâmbio   Cultural   para   o   Brasil,   anos   atrás.   Quando   ela  
descobriu   o   meu   fascínio   pelo   Egito,   ela   disse   que   a   organização   que   a  
trouxe  para  o  Brasil  também  tinha  programas  para  o  Egito.  Era  a  minha  
primeira  chance  concreta  de  visitar  o  país  que  representava  tanto  para  
mim.   Eu   e   meus   pais   começamos   a   conversar   sobre   o   assunto;   eles  
queriam  que  eu  fizesse  um  intercâmbio,  mas  acho  que  nunca  pensaram  
que  iria  ser  para  o  Egito.  Resolvi  então  me  inscrever  na  tal  organização,  a  
AFS  Programas  Interculturais.  
A  AFS  é  uma  organização  internacional,  sem  fins  lucrativos,  que  visa  
a   construção   de   um   mundo   mais   pacífico   por   meio   da   aprendizagem  
intercultural,   e   está   presente   em   mais   de   60   países.   O   programa   mais  
popular   é   o   que   eu   participei,   o   High   School   Program,   que   consiste   em   1  

ano  morando  em  outro  país,  frequentando  uma  escola  local  e  morando  
com   uma   família   hospedeira   nativa.   Basicamente,   viver   um   ano   como  
um  jovem  do  país  hospedeiro.  Além  de  ser  a  única  a  oferecer  programas  
para   o   Egito,   a   AFS   é   uma   organização   voluntária,   incluindo   as   famílias  
hospedeiras,   que   não   recebem   dinheiro   ao   receber   um   estudante   em  
sua  casa.  Achei  todas  essas  características  muito  interessantes,  e  fiquei  
animado   ao   ingressar   no   AFS,  
participando   de   todas   as   orientações  
e   encontros.   Numa   delas   porém,   os  
voluntários  

que  

realizavam  

as  

atividades  conosco  me  avisaram  que  eu  precisaria  escolher  outros  países  
para   o   meu   intercâmbio,   caso   houvesse   algum   problema   com   o   AFS  
Egito  que  impossibilitasse  o  programa  (eu  só  havia  colocado  o  Egito  na  
minha   lista   de   destinos   desejados,   mas   normalmente   os   estudantes   do  
AFS  colocam  mais  de  um  destino).  Relutante,  eu  selecionei  mais  alguns  
destinos,   mas   no   fundo   eu   havia   decidido   que   eu   iria   para   o   Egito,   ou  
para  lugar  nenhum.  
Foi   um   pouco   angustiante   esperar   pela   resposta   de   algo   tão  
importante  para  mim,  mas  no  final  de  2010  eu  recebi  a  notícia  de  que  eu  
estava   confirmado   para   o   Egito,   e   que   eu   embarcaria   em   setembro   do  
próximo  ano.  Fiquei  imensamente  feliz,  como  era  de  se  esperar,  já  que  

eu   finalmente   iria   ver   e   viver   tudo   que   eu   sempre   quis,   e   descobrir  
realmente  como  é  o  país  que  sempre  esteve  presente  na  minha  vida.      
Um   pouco   depois   eu   recebi   do   AFS   informações   sobre   minha  
família   hospedeira.   Pai,   mãe,   duas   filhas,   três   filhos   e   dois   gatos.  
Moravam   no   Cairo.   Novamente,   fiquei   muito   entusiasmado   e   alegre,  
pois  iria  morar  na  maior  cidade  do  Egito,  sua  capital,  o  lugar  onde  tudo  
acontece;   uma   cidade   milenar   que   é   o   coração   do   Oriente   Médio.   A  
família   também   foi   uma   surpresa   feliz,   uma   numerosa   família   egípcia  
que  ainda  sim  queria  receber  um  estranho  em  casa  e  trata-­‐lo  como  filho.  
No  meio  de  toda  a  animação  eu  comecei  a  perceber  o  que  estava  
acontecendo,   o   quão   importante   era   essa   oportunidade.   Minha   vida  
estava   prestes   a   mudar   para   sempre,   não   só   pelo   fato   de   eu   estar  
realizando   o   antigo   sonho   de   visitar   a   terra   dos   faraós,   mas   pela  
experiência   do   intercâmbio   por   si   só.   Viver   um   ano   em   uma   cultura  
diferente  é  muito  mais  difícil  que  parece.  Não  saber  como  se  comportar  
no  novo  ambiente,  não  entender  o  que  as  pessoas  falam  ao  seu  redor,  
começar  uma  vida  nova  sozinho  num  lugar  muito,  muito  diferente.  Tudo  
isso   muda   uma   pessoa   profundamente,   muitas   coisas   são   aprendidas  
desse   tempo,   mas   o   mais   importante   é   a   capacidade   de   entender,  
assimilar   e   apreciar   coisas   diferentes   que   o   fruto   mais   importante   de  
uma  viagem  como  essa.    

Para   mim,   quanto   mais   exótica   e   diferente   a   cultura   do   país  
hospedeiro,   mais   enriquecedora,   profunda   e   gratificante   será   a  
experiência.   Na   época,   a   maioria   dos   meus   colegas   do   colégio   que  
também   iriam   fazer   intercâmbio   planejavam   ir   ao   Canadá.   Acho   que  
mesmo  que  eu  não  tivesse  essa  ligação  tão  forte  com  o  Egito,  eu  o  teria  
considerado   seriamente   caso   fosse   fazer   intercâmbio.   Para   mim,   a   graça  
não  era  mudar  de  país,  era  mudar  de  mundo.      
Quanto  mais  eu  pensava,  mais  eu  tinha  certeza  de  que  eu  estava  no  
caminho  certo,  que    a  experiência  de  passar  um  ano  no  Egito  me  traria  
coisas   que   eu   guardaria   para   o   resto   da   vida.   Assim   o   tempo   foi  
passando,  até  que  uma  cadeia  de  eventos  que  mudaria  o  mundo  acabou  
mudando  minha  vida  também.    
No   dia   17   de   dezembro   de   2010,   Mohammed   el   Bouazizi,   um  
vendedor  de  frutas  e  vegetais  tunisiano  ateou  fogo  ao  seu  próprio  corpo  
para   protestar   a   injustiça   e   a   corrupção   dos   oficiais   da   Tunísia.   Dias  
depois,  o  país  parou  com  protestos  e  manifestações.    
Em  menos  de  um  mês  o  ditador  Zine  Abdeen  Ben  Ali  renuncia  e  se  
exila.   Era   o   começo   da   Primavera   Árabe,   que   iria   mudar   tantas   vidas,  
incluindo  a  minha.  
Os   protestos   logo   se   espalham   pelo   Oriente   Médio,   e   o   Egito   se  
torna   palco   de   enormes   protestos,   batalhas   e   negociações.   Foi   um   dos  
momentos  mais  angustiantes  da  minha  vida,  estar  aqui  sem  poder  fazer  

nada,   nem   saber   se   eu   poderia   viajar,   ou   visitar   o   Egito   algum   dia.   Os  
protestos   se   tornavam   cada   vez   mais   violentos,   camelos,   armas,   gás,  
tudo   era   usado   contra   os   manifestantes   de   Tahrir.   Aqui,   eu   afundava  
numa   agonia   sem   saber   o   que   seria   de   mim   e   dos   egípcios,   o   que   estava  
ao  meu  alcance  eram  as  notícias,  que  nunca  eram  boas.  
 Os   egípcios   se   mantinham   fortes,   sofrendo   as   mais   terríveis  
aflições  e  agressões.  Continuavam  ocupando  o  Cairo,  o  povo  em  greve,  o  
país  em  hiato,  e  a  mensagem  muito  clara,  eles  não  sairiam,  ele  sim.    

De  25  de  janeiro  até  11  de  fevereiro  o  país  mergulhava  em  conflito,  
até  que  o  inesperado  aconteceu:  Hosni  Mubarak,  ditador  do  Egito  a  mais  
de  trinta  anos,  renunciara.    
Foi  um  alívio  para  mim  quando  aconteceu.  E  realmente  a  situação  
se   acalmou   um   pouco   e   o   AFS   Egito   me   informou   que   tudo   estava  
estável   para   que   minha   viagem   acontecesse.   Depois   eu   viria   descobrir  
que   a   renúncia   de   Mubarak   foi   só   o   começo,   sua   máquina   ditatorial  
ainda   funciona.   Naquele   momento,   no   entanto,   eu   só   queria   pensar   que  
eu  realmente  iria  para  o  Egito  em  breve.  
Não  muito  aconteceu  em  2011  no  período  que  sucedeu  a  revolução  
e  antecedeu  a  viagem.  Eu  levava  uma  vida  normal,  ia  à  escola,  via  meus  
amigos,   nada   muito   emocionante.   E   o   dia   foi   se   aproximando   cada   vez  
mais  e  mais...  Até  que  um  dia  ele  chegou.    
Me   reuni   com   meus   amigos   e   me   despedi   deles.   Passei   o   dia   com   a  
minha   família,   e   dei   adeus   para   os   meus   avôs   e   avós.   Nesses   grandes  
momentos   de   mudança,   nunca   ninguém   percebe   o   que   está   prestes   a  
acontecer,  como  se  fosse  um  sonho,  não  sei...  Eu  estava  no  aeroporto  e  
tudo  parecia  normal.  

Me   despedi   dos   meus   pais   e   do   meu   irmão   e   entrei   na   sala   de  
embarque.   Embarquei,   e   deixei   o   solo   brasileiro.   Entre   aviões   e  
aeroportos   nada   de   relevante,   basta   dizer   que   eu   demorei   trinta   horas  
para   chegar   ao   meu   destino.   Na   pequena   dela   do   meu   assento,   um  
aviãozinho  se  movia  devagar  por  um  mapa,  e  horas  depois  ele  estava  em  
cima  de  um  pontinho  que  dizia  “  CAIRO”.  

 
 
 

Foi   aí   que   eu   percebi.   Tinha   acontecido,   e   eu   lembrei   de   tantas  
coisas,   de   tantos   anos   que   já   passaram.   Eu   estava   lá,   as   rodinhas   do  
avião  raspavam  no  solo.  Solo  egípcio.  É  um  momento  que  não  pode  ser  
muito  bem  descrito.    
Bem,  o  avião  parou,  e  as  portas  foram  abertas,  permitindo  que  o  ar  
quente  entrasse.  Pela  primeira  vez  na  minha  vida,  eu  estava  na  terra  do  
Egito.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 


Related documents


capitulo 1
como emagrecer rapidamente sem exercicios fisicos
06 diadema a cidade do futuro antecipado pdfppd
o nobre afonso
o nobre afonso
cenas ativistas


Related keywords