PDF Archive

Easily share your PDF documents with your contacts, on the Web and Social Networks.

Share a file Manage my documents Convert Recover PDF Search Help Contact



Manual de Instalação do Clonezilla PDF .pdf



Original filename: Manual de Instalação do Clonezilla - PDF.pdf
Author: cides

This PDF 1.3 document has been generated by http://www.convertapi.com, and has been sent on pdf-archive.com on 19/05/2016 at 15:21, from IP address 193.136.x.x. The current document download page has been viewed 960 times.
File size: 1.9 MB (24 pages).
Privacy: public file




Download original PDF file









Document preview


Manual de Instalação e Configuração
do Servidor de Cópia e Reposição de
Máquinas em Rede através do
Clonezilla

1
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

Índice
1. Comandos Úteis ao Utilizador ------------------------- 3
2. Informações ------------------------------------------------ 4
3. Preparação do Sistema --------------------------------- 5
4. Configuração dos Interfaces de Rede --------------- 6
5. Instalação e Configuração das Ferramentas ----- 7
6. Configurar o Clonezilla -------------------------------- 14
7. Arranque por Rede com o Cliente ------------------ 16
8. Clonagem de uma Máquina -------------------------- 17
9. Reposição de um Sistema ---------------------------- 20
10. Conclusão ----------------------------------------------- 23
11. Bibliografia ---------------------------------------------- 24

2
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

1.

Comandos Úteis ao Utilizador

Os comandos a seguir mencionados são essenciais ao utilizador para executar
tarefas básicas em ambiente Unix.

sudo su
sudo

: Para definir o utilizador como root (raiz).

: Para executar funções como administrador.

apt-get update && apt-get upgrade –y
apt-get <”Nome do comando”>
apt-get install <”programa”>

: Para obter algo do banco de dados do Linux.

: Para instalar um programa.

apt-get remove <”programa”> :
<”comando”> -y

: Para fazer uma actualização à máquina.

Para remover um programa.

: Para responder “Sim” automaticamente a todas as perguntas de

um comando.

mkdir <“novo diretório”>
cd <”diretório”>

: Para criar um novo diretório.

: Para aceder ao diretório.

nano <”ficheiro de texto”>

: Para abrir e editar ficheiros de texto.

Crtl+O

: Para gravar o que escreveu (dentro do editor).

Crtl+X

: Para sair do editor de texto.

rm <”ficheiro”>

: Para apagar um ficheiro.

rm –d <”diretório”>

: Para apagar um diretório.

(NOTA : Os comandos acima referidos são meramente uma ajuda.
Este manual não é um manual de utilização do Ubuntu Server, mas
sim um manual de instalação e configuração de uma ferramenta
para o mesmo.)

3
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

2.

Informações

Este manual foi feito com conhecimentos,
noções, e passos específicos partindo do início
que está a usar o Ubuntu Server. Se o seu
sistema não dispõe deste sistema operativo,
proceda à sua instalação antes de ler este
manual.
Veja aqui como instalar esse Sistema Operativo.

Caso seja a sua primeira vez a ler este manual e pretenda fazer
uma instalação de raiz ao seu servidor, prossiga com a leitura e
análise deste manual e salte o resto deste capítulo.
Caso já tenha configurado o seu servidor de clonagem e reposição de imagens,
aqui estão alguns atalhos que podem facilitar a utilização do mesmo :

Preparação do Sistema
Clique aqui se pretende preparar o sistema.

Instalação das Ferramentas
Clique aqui se pretende instalar as ferramentas.

Configuração dos Interfaces de Rede
Clique aqui se pretende configurar os interfaces de rede.

Configuração das Ferramentas
Clique aqui se pretende configurar as ferramentas.

Clonagem de Máquinas
Clique aqui se pretende clonar uma máquina.

Reposição de Sistemas
Clique aqui se pretende repor de um sistema.

4
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

3.

Preparação do Sistema

Não é necessária uma instalação personalizada do Ubuntu Server, sendo que as
alterações para a concretização do projeto serão feitas após a instalação do Sistema
Operativo.
Os procedimentos da instalação do Sistema Operativo cabem ao utilizador.

Actualizar o Sistema
Após o arranque do Sistema Operativo, o utilizador deve definir-se
como root para ter acesso total à máquina :

sudo su
Depois de estar como root, deve comandar os updates e upgrades da
máquina:

apt-get update && apt-get upgrade -y
Adicionar a KEY do DRBL ao Sistema
Para que o Ubuntu possa fazer download do DRBL, será necessário
adicionar a chave do programa ao sistema, digite o seguinte :

wget -q http://drbl.sourceforge.net/GPG-KEY-DRBL -O- | apt-key add –

Abrir a Lista de Fontes e Adicionar o DRBL
Para que o Ubuntu possa fazer download do DRBL, será necessário
adicionar o seu repositório à lista de fontes do servidor.
Abrir o ficheiro

nano /etc/apt/sources.list
Adicionar a seguinte linha ao fim do ficheiro
deb http://drbl.sourceforge.net/drbl-core drbl stable testing unstable

Ctrl+O – Para guardar as alterações.
Ctrl+X – Para sair da edição.
Para que as atualizações tomem efeito, será necessário mais um
update ao servidor, que é feito de maneira simples e rápida através do
seguinte comando:

apt-get update
5
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

4.

Configuração dos Interfaces de Rede

Configuração da rede
Aceda ao ficheiro de interfaces de rede:

sudo nano /etc/network/interfaces

Edição dos Interfaces
Edite o ficheiro conforme a imagem a seguir apresenada, mas de modo a que
corresponda às suas necessidades. Como pode ver na configuração abaixo temos
duas interfaces, eth0 e eth0:0.
Os nomes podem variar, neste caso o nome da rede é “eth0”, se o seu caso for
diferente, use “<nome da sua rede>” e “<nome da sua rede>:0” para que a
configuração funcione. Por exemplo, se o nome da sua rede for “ens32”, use
“ens32” e “ens32:0”. Se a configuração das redes não for bem feita, o servidor
não irá funcionar.
“eth0” é a configuração de IP principal da sua placa de rede. É usada para se
conectar à web, etc.
“eth0:0” é uma interface "virtual" que será criada somente para o Clonezilla. Lembrese que “eth0” tem de coincidir com a sua rede local. Para fazer de “eth0:0” uma
sub-rede totalmente diferente de “eth0” olhe para o exemplo abaixo. “eth0” é
192.168.1.200 e “eth0:0” é 192.168.99.200, para que não entrem em conflito.
Além disso, o interface virtual do Clonezilla , “eth0:0” deve usar um IP de "classe
C"(Exemplo: 192.168.X.X), caso contrário a eficácia do multicasting será muito
reduzida.
Pode-se guiar pela seguinte imagem para o seu ficheiro de interfaces, mas lembre-se
de o adaptar às suas necessidades, como acima referido.

6
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

5.

Instalação e Configuração das Ferramentas

Instalação do Pacote
Para instalar o DRBL (ferramenta que permite o arranque por rede de
máquinas remotas) e consequentemente o Clonezilla, digite o seguinte
comando :

sudo apt-get install drbl -y
Após a instalação do pacote, digire o seguinte comando :

sudo drblsrv –i

Após a inserção do comando de inicialização o utilizador terá
acesso a um menu interativo que permite a instalação da
ferramenta. Siga os passos abaixo referidos.
(NOTA: As perguntas podem variar conforme a máquina do cliente. Os passos ilustrados neste manual de utilização são
genéricos e adaptam-se à maioria dos sistemas, mas é sensato um cuidado por parte do utilizador relativamente a pequenas
discrepâncias que possam surgir.
Que seja também de notar que o processo NÃO É irreversível. O utilizador pode voltar a correr a configuração inúmeras vezes
com a introdução do comando acima referido.)

A primeira questão pergunta-lhe se quer instalar outras distribuições do Linux a partir
do menu de rede. Não é o que se pretende com esta instalação. Responda “N”:

A próxima questão pergunta-lhe se quer abdicar de um ambiente gráfico. Responda
“N”:

7
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

A próxima questão pergunta-lhe se quer que o DRBL faça upgrade ao seu sistema
operativo. Responda “N”:

Após estas questões, a máquina instalará todas as dependências do DRBL.
A seguir, configuraremos o DRBL.

Configuração do Servidor DRBL
Antes de inserir o comando de inicialização da configuração do DRBL, é recomendado
que edite um ficheiro de configuração, para tal, basta aceder ao ficheiro
/etc/resolv.conf:

nano /etc/resolv.conf
E no mesmo, escrever “nameserver 8.8.8.8”, como demonstrado no exemplo a seguir:

Prima Ctrl+O para guardar, e Ctrl+X para sair.

Apos esta pequena alteração, o seu sistema está pronto para
inicializar a ferramenta de configuração do servidor DRBL.

8
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.

Insira o seguinte comando para iniciar o menu de configuração do
servidor:

sudo drblpush –i

Após a inserção do comando de inicialização o utilizador terá
acesso a um menu interativo que permite a configuração da
ferramenta. Siga os passos abaixo referidos.
(NOTA: As perguntas podem variar conforme a máquina do cliente. Os passos ilustrados neste manual de utilização são
genéricos e adaptam-se à maioria dos sistemas, mas é sensata um cuidado por parte do utilizador relativamente a pequenas
discrepâncias que possam surgir.
Que seja também de notar que o processo NÃO É irreversível. O utilizador pode voltar a correr a configuração inúmeras vezes
com a introdução do comando acima referido.)

A primeira questão pede-nos o domínio DNS. Prima “Enter” para deixar o valor
predefinido.

A próxima questão pede-nos o domínio NIS/YP. Prima “Enter” para deixar o valor
predefinido.

A próxima questão pede-nos um prefixo. Prima “Enter” para deixar o valor
predefinido.

9
Vasco Freitas, Escola Secundária Filipa de Vilhena, 2016.


Related documents


PDF Document manual de instalac o do clonezilla pdf
PDF Document manual de instalaci n mongo con debian
PDF Document mayhem malware seguridad informatica en mexico
PDF Document nova vers o monofolha easyweb
PDF Document dropboxcache malware iicybersecurity
PDF Document soluciones de seguridad informatica bookworm troyano


Related keywords