PDF Archive

Easily share your PDF documents with your contacts, on the Web and Social Networks.

Share a file Manage my documents Convert Recover PDF Search Help Contact



Orgulho Lésbico .pdf


Original filename: Orgulho Lésbico.pdf
Author: User

This PDF 1.5 document has been generated by Microsoft Word 2010, and has been sent on pdf-archive.com on 09/04/2011 at 20:23, from IP address 187.34.x.x. The current document download page has been viewed 1350 times.
File size: 98 KB (2 pages).
Privacy: public file




Download original PDF file









Document preview


Orgulho Lésbico
Andrea Dworkin
[Capítulo 7 de Our Blood: Prophecies and Discourses on Sexual Politics por Andrea Dworkin Entregue em um comício para a Lesbian Pride Week, Central Park, New York, 28 de Junho de
1975]
Tradução: Ticiana lcc
 Versão em inglês em: http://www.nostatusquo.com/ACLU/dworkin/OurBloodII.html
Para mim, ser uma lésbica significa três coisas.
Primeiro, significa que eu amo, acalento, e respeito mulheres em minha mente, em
meu coração, e em minha alma. Esse amor de mulheres é o solo no qual a minha vida é
enraizada. É o solo de nossa vida comum junta. Minha vida cresce desse solo. Em outro solo,
eu morreria. De todas as maneiras eu sou forte, eu sou forte por causa do poder e paixão
desse amor carinhoso.
Segundo, ser uma lésbica significa para mim que existe uma paixão erótica e
intimidade que vem do toque e gosto, uma selvagem, picante ternura, um suor doce e
molhado, nossos seios, nossas bocas, nossas vulvas, nossos cabelos emaranhados, nossas mãos.
Eu falo aqui de uma paixão sensual tão profunda e misteriosa quanto o mar, tão forte e
tranquila como a montanha, tão insistente e mutável como o vento.
Terceiro, ser uma lésbica significa para mim a memória da mãe, lembrada em meu
próprio corpo, procurado, desejado, encontrado e verdadeiramente honrado. Significa a
memória do útero, quando nós formávamos uma só com nossas mães, até o nascimento
quando nós éramos separadas dilaceradamente. Significa uma volta àquele lugar interior, no
interior dela, no interior de nós mesmas, aos tecidos e às membranas, à umidade e ao
sangue.
Existe um orgulho no amor carinhoso que é nosso terreno comum, e no amor sensual,
e na memória da mãe – e esse orgulho brilha tão resplandecente quanto o sol de verão ao
meio-dia. Esse orgulho não pode ser degradado. Aqueles que o degradariam estão na posição
de atirar punhados de lama ao sol. Ainda ele brilha, e aqueles que arremessam lama somente
sujam suas próprias mãos.

Às vezes o sol é coberto por camadas densas de nuvens negras. Uma pessoa olhando
de baixo juraria que não há sol. Mas ainda o sol brilha. À noite, quando não há luz, ainda o sol
brilha. Durante a chuva ou granizo ou furacão ou tornado, ainda o sol brilha.
Será que o sol se pergunta “Eu estou bem? Eu valho a pena? Existe o suficiente de
mim?”? Não, ele queima e brilha. Será que o sol se pergunta “O que será que a lua pensa de
mim? O que Marte sente a meu respeito hoje?”? Não, ele queima, ele brilha. Será que o sol se
pergunta “Sou eu tão grande quanto outros sóis em outras galáxias?”? Não, ele queima, ele
brilha.
Nesse país nos próximos anos, eu acredito que existirá uma terrível tempestade. Eu
acho que os céus se escurecerão além de qualquer reconhecimento. Aqueles/as que
caminham nas ruas as caminharão na escuridão. Aqueles/as que estão em prisões ou
instituições para doentes mentais absolutamente não verão o céu, somente a escuridão fora
de janelas gradeadas. Aqueles/as que estão famintos/as e em desespero absolutamente não
poderão olhar. Eles/as irão ver a escuridão enquanto ela se deita no chão em frente a seus
pés. Aquelas que são estupradas olharão para a escuridão como se olhassem para o rosto do
estuprador. Aqueles/as que são assaltados/as e brutalizados/as por loucos irão olhar
atentamente para a escuridão para discernir quem está se movendo na direção deles/as a
cada momento. Será difícil de lembrar, enquanto a tempestade se enfurece, que ainda,
mesmo que não consigamos ver, o sol brilha. Será difícil para lembrar que ainda, mesmo que
não consigamos ver, o sol queima. Nós ainda tentaremos vê-lo e tentaremos senti-lo, e
esqueceremos que ele ainda nos aquece, que se ele não estivesse lá, queimando, brilhando,
essa Terra seria um lugar gélido e desolado e estéril.
Enquanto nós tivermos vida e respiração, não importa quão escura a Terra nos rodeie,
o sol ainda queima, ainda brilha. Não existe hoje sem isso. Não existe amanhã sem isso. Não
existiria nenhum ontem sem isso. Essa luz está no interior de nós – constante, aquecida, e
cicatrizadora. Lembrem-se disso, irmãs, nos tempos escuros que estão por vir.


Orgulho Lésbico.pdf - page 1/2
Orgulho Lésbico.pdf - page 2/2

Related documents


PDF Document orgulho lesbico
PDF Document ebook completo as doutrinas de satan
PDF Document descubra os outros em voce v23
PDF Document castelos
PDF Document como emagrecer rapidamente sem exercicios fisicos
PDF Document queimargordura


Related keywords